PESQUISA APONTA QUE ACADEMIAS NÃO REPRESENTAM RISCO COM COVID-19

Um estudo acadêmico de larga escala concluiu que não existe ameaça de aumento da propagação da COVID-19 nas instalações fitness, mesmo quando ocorre treinamento intensivo.

Uma equipe de pesquisadores da Universidade de Oslo, liderada pelo professor Michael Bretthauer, pesquisou a transmissão do SARS-CoV-2 e se era atribuído às academias. “Nosso estudo não mostrou transmissão de vírus ou aumento da COVID-19 relacionada à abertura de academias”, disse Bretthauer.

A pesquisa – a primeira do gênero na Europa – estudou 3.764 pessoas do público-alvo, com idades entre 18 e 64 anos, que não tinham comorbidades relevantes à COVID-19.

Aproximadamente metade (1.896) das pessoas teve acesso às academias, enquanto a outra metade (1.868) não.

Os primeiros tiveram acesso a cinco academias – SATS Sjolyst e CC vestido (dois clubes de saúde pertencentes ao gigante nórdico do fitness SATS, STOLT Stovner e Rommem (ambos operados pela rede de academias STOLT Trainning) e EVO Bryn (Um ginásio de propriedade e operado por EVO Fitness Group.

As instalações foram abertas a partir de 22 de maio deste ano, especificamente para o estudo e as atividades disponíveis incluíam serviços que normalmente eram oferecidos desde piso das academias até aulas em grupo (incluindo spinning e yoga). Aqueles que visitavam uma academia tinham que seguir o protocolo de prevenção ao novo coronavirus elaborado pelo Instituto Norueguês de Saúde Pública – distanciamento social (um metro para exercícios de chão e dois metros para aulas de alta intensidade), além de intensificar a higiene das mãos e das superfícies, enquanto todas as estações de treino eram fornecidas com desinfetantes para que fossem limpas após cada uso.

A equipe da academia também controlava o acesso às academias para garantir medidas de distanciamento e evitar aglomerações. Os vestiários estavam abertos, mas os chuveiros e saunas estavam fechados.
Os pesquisadores testaram cada pessoa quanto ao SARS-CoV-2 por amostragem auto-administrada de naso, orofaringe e escarro após duas semanas – e doença clínica por ligação a registros eletrónicos de pacientes após três semanas.

Fonte: https://www.healthclubmanagement.co.uk/health-club-management-news/COVID-19-SATS-STOLT-EVO-Fitness-Michael-Bretthauer-University-of-Oslo/345783

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *